Os 4 Elementos, os Seres Angelicais e o Ser Humano:

Os 4 elementos estão presentes em tudo, em todos os seres vivos, em todas as coisas e são formas de manifestação de energia que agem em diversos níveis, do atómico ao galáctico. Todas as pessoas são formadas pela matéria dos quatro elementos, portanto, sujeita a força dos quatro elementos que a constitui.

Em cada situação, há sempre algum dos elementos que predomina e isto também acontece não somente no que diz respeito às coisas em geral mas também ao próprio ser humano. Uma pessoa, ou mesmo um animal qualquer, mantém sempre uma estreita relação com algum dos elementos e este é-lhe particularmente favorável.

Nas religiões baseadas na Cabala os elementos estão sempre presentes e até são citados nas mais elevadas expressões angelicais, tanto é que se diz que Miguel governa o vento do leste, Rafael, o vento do oeste, Gabriel, o vento Norte, e Uriel, o vento sul.

“O Nosso sentimento da realidade neste mundo material é totalmente ilusório.

Nada conhecemos da verdadeira natureza dos objectos e dos seres, mas apenas as impressões que produzem sobre os nossos sentidos, e deduzimos conclusões, quase sempre erróneas, do conjunto dessas impressões” (Annie W. Besant).”

Na caminhada do desenvolvimento espiritual os elementos intervêm na natureza da pessoa pois o elemento predominante no indivíduo condiciona em parte a sua forma de agir e de pensar. Por sua vez a pessoa molda formas de pensamento no plano astral segundo a sua própria maneira de ser, assim ela cria uma categoria de elementos artificiais. São formas criadas pela mente das pessoas, por isso é que o mundo astral encerra uma inconcebível variedades de coisas, desde que ali existe uma réplica de tudo quanto há no plano físico, e muito mais, pois devem ser também levados em conta a existência daqueles elementos criados pelo pensamento das pessoas além de tudo aquilo que existe ali, no seu próprio plano existencial.

Conclui-se que muitas coisas que existem com formas no plano astral, no mundo material elas existem apenas como pensamentos.

No plano astral existem todos os elementos que correspondem aos elementos da natureza sob as suas mais diversificadas formas e também uma imensa quantidade de elementais artificiais, aqueles que são gerados pela mente das pessoas. Na realidade esses são formas relativamente efémeras.

Os elementos da natureza têm características próprias, um tem poder sobre os outros, um controla o outro e o resultando disto é o equilíbrio da natureza.

A água, por exemplo, pode ser detida até certo limite pelo elemento terra. Com o elemento terra faz-se uma barragem capaz de controlar a água, faz-se um recipiente, um copo que pode conter a água, mas esta pode amolecer a terra, dissolve-la. A água apaga o fogo mas por sua vez o fogo transforma o estado físico da água, a evaporação.

A terra apaga o fogo mas o fogo pode transformar o estado da terra, derrete as rochas gerando os vulcões; transforma as rochas em lava.

O ar tanto pode intensificar o fogo quanto apaga-lo, ele movimenta a água criando as ondas. O fogo, o calor  aquece o ar produzindo diferenças de pressão atmosférica que ocasiona o vento, que mobilizam a própria água.

Com a terra pode-se provocar atrito entre duas pedras, gerar faíscas ou apagar o fogo.

Cada pessoa tem um elemento que lhe é característico somente pela sua forma de ser. As afinidades ocorrem mais por padrão comportamental do que por predisposição no nascimento.

Em consequência da maior ou menor intimidade com os elementos, as pessoas retêm características ligadas a um determinado elemento. Isto é o que faz com que frequentemente se vejam pessoas que apresentam qualidades especiais para determinadas actividades e que algumas vezes isso reflecte-se em condições que o comum dos mortais atribui ao acaso, à “sorte”.

Entenda-se que, mesmo que os elementos determinem modos de ser do organismo esses modos de ser retractam perfeitamente as qualidades daquele espirito.

A predominância do elemento água, acarreta nas mulheres uma natureza maternal, assim sendo um espirito que na sua caminhada o tenha já desenvolveu bem essa qualidade, ou que tenha algum carma que precise desse tipo de carácter, certamente encarnará como uma pessoa água.

A afinidade entre a pessoa e um elemento resulta da harmonia vibratória entre o elemento e a pessoa, pois isto é apenas um efeito de ressonância.

Cada espirito encarna o corpo que merece, mesmo que esse corpo físico seja fruto da hereditariedade.

É por isso que os seres humanos são chamados de “o microcosmos”, porque estão contidos em nós os 4+1 elementos que formam todo o cosmos. É isso que diferencia os espíritos humanos dos espíritos elementais.

Enquanto os humanos são formados pelos 4+1 elementos, os elementais podem possuir mais de um elemento na sua constituição, mas nunca os 4+1.

Na Astrologia os signos são divididos em 4 grupos, cada um equivale a um elemento:

FOGO – INTUIÇÃO: Imaginar, criar, idealizar – Carneiro, Leão e Sagitário;
TERRA – SENSAÇÃO:Tocar, realizar, fazer – Touro, Virgem, Capricórnio;
AR – PENSAMENTO: a mente – Gémeos, Balança e Aquário;
ÁGUA -EMOÇÃO: o coração – Caranguejo, Escorpião e Peixes.

A antiga filosofia grega também estava baseada na doutrina dos quatro elementos, que eram equacionados como as quatro faculdades do homem:

Moral – Fogo,
Estética e Alma- Água,
Intelecto -Ar e
Física – Terra .

“Os quatro elementos, Terra, Ar, Água e Fog) são divididos em dois grupos que se assemelham aos dois grupos da filosofia chinesa:

YIN representa Água e Terra – PASSIVOS
YANG o Fogo e o Ar – ATIVOS

Os signos da Água e da Terra são mais introspectivos, cautelosos e ponderados.
Os signos do Fogo e do Ar não têm tantas reservas e expressam-se socialmente com menor precaução.

Os elementos também foram divididos nas qualidades quente, seco, húmido e frio, a incorporação de uma teoria grega muito antiga, que posteriormente deu origem aos quatro temperamentos da medicina antiga:

colérico – quente e seco,
sanguíneo – quente e húmido,
melancólico – frio e seco e
fleumático (frio e húmido.

Quente e Frio, dizem respeito à quantidade de energia: alta ou baixa, respectivamente.
Seco e Húmido falam da capacidade, talento ou interesse maior ou menor em criar ou desfazer conexões.

Na teoria alquímica Elohains também se trabalha os elementos, que na verdade, é a base da alquimia. Na alquimia Elohian existem 10 elementos, sendo divididos em dois grupos:

Estes elementos são associados aos Herts que o nosso cérebro emite/comporta.

Por exemplo, o nosso cérebro tem uma emissão de energia similar à energia que o fogo emite, logo o nosso elemento primário é o fogo.

Segundo Franz Bardon existem 5 elementos:
Akasha – O princípio etérico,
Tejas – O princípio do fogo,
Waju – O princípio do ar,
Apas – O princípio da água,
Prithivi – O princípio da terra.

E deles se originam o todo, os seres humanos como microcosmos teriam cada um desses elementos dentro de si, e seriam responsáveis pelas características da personalidade.

Os verdadeiro Elementos Espirituais são Adhi e Anupadaka. Eles correspondem aos Chakras, Ajna e Sahashara, plexos nervosos, enquanto Akasha corresponde a Visudhi, o plexo cervical. Isto é, no nível actual do nosso conhecimento. É bem provável que haja gamas vibratórias ainda mais subtis e profundas.

As características pessoais resultam de alguns factores de natureza genética como afirma a ciência, e dos elementos da natureza como afirmam alguns sistemas místicos, mas que dificultam o entendimento quando as religiões e sistemas místicos também dizem que é o espírito e não a matéria quem responde pela maneira de ser, pelas características de uma pessoa, e a personalidade.

A matéria é o instrumento e o espírito o músico e que cada músico recebe o instrumento mais adequado para o exercício de sua arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *